Cruzeiro Campeão – nome e sobrenome!

Campeão – Muito mais importante do que competir é vencer. Essa é a lição número 1 dos campeões. Eles são ambiciosos, perfeccionistas e lutam, obstinadamente, pela vitória. Mesmo os que não são favoritos sentem-se frustrados quando perdem.

Tostão

Somos campeões caramba! Acreditar nunca é demais!

Eu confiava nesse time, continuei confiando, graças a Deus somos campeões do campeonato estadual!

Agora vamos continuar com essa garra de guerreiros, somos campeões e temos que continuar com esse espírito! Temos uma grande equipe, somos fortes e encaixando os laterais, que venha o Campeonato Brasileiro!

Zeeeeeeeeeeeeeeeroooooooooooooooooooooooooooooooooo!

Depois escrevo direito sobre o jogo, mas pra começar: foi tenso, mas foi guerreiro!

Pronto, chegou o depois.

Euforia passou (um pouquinho). Vamos ao jogo…

O Cruzeiro se manteve superior nos dois tempos, mas o que não significou bola na rede no primeiro tempo. O esquema que Cuca montou, mesmo não tendo Montillo funcionou.

Leandro Guerreiro entrou bem, jogou bem. Mas um erro dele foi quase fatal, por isso não digo que foi tão destaque assim, mas de longe foi o melhor jogo que fez com a camisa celeste.

Gil foi um baita zagueiro em campo, sem medo de dividir (bem) as bolas, desarmou Mancine e Magno Alves com facilidade e algumas vezes desarmou Patrick também, que se atrevia a tentar repetir um gol na meta celeste.

O ataque celeste, com Wallyson e Thiago Ribeiro, trouxe de volta para o Cruzeiro a movimentação do time que encantou a todos nesse inicio de ano. Apesar de ter ficado sumido em campo, Wallyson apareceu na hora certa e no momento certo (como esta acostumando) no segundo tempo e marcou para a equipe celeste.

Fábio agarrou esse título para o Cruzeiro quando se agigantou – mais ainda – pra cima do Magno Alves. Precisa de explicar o porquê temos o melhor goleiro do Brasil em atividade?

Victorino jogou muito bem também, monstro na zaga! Roger e Gilberto – com um belo gol de falta também pra fechar o título – mostraram que nem briguinha por vaga em time tira uma garra por vitória. Os dois jogaram bem demais, com um entrosamento espetacular.

Ainda precisamos de reforços nas laterais. Quero ver como o Vítor vai se comportar, mas “vamos aguardar”.

Mas muito obrigada Cruzeiro por hoje ter sido guerreiro e ter jogado com alma!

E eu deixo claro – mais uma vez – que confio nesse time. Com o psicológico em alta agora, só continuar com o espírito de campeão, que o “ser” campeão vem com o tempo!

Simbora Cruzeiro!

Luciana

Clássico, final… só peço uma coisa!

Já que falei tanto nos últimos dias sobre o livro “Trocando os pés pelas mão – O futebol e a vida nas crônicas de Tostão” (YOSHIOKA, Gílson; Ed. Maquinária) quis usar também esse livro para o clássico de hoje.

No livro, há uma entrevista fictícia em que Tostão pergunta à Nelson Rodrigues sobre a decisão de um clássico:

– Quem vai decidir a partida? – prosseguiu.

– O Sobrenatural de Almeida e a alma. Os idiotas da objetividade e os entendidos não vão além dos fatos concretos. O entendido só não se torna abominável porque o ridículo o salva. Não percebem que o mistério pertence ao futebol. Não há clássico sem um mínimo de fantástico. Até a mais sórdida pelada é uma complexidade shakespeariana. E sem alma não se chupa um chicabom. A alma é tudo, o resto é paisagem.

E um dicionário de contexto e reflexões do cronista no livro, quis selecionar esse:

Guerreiro – Ser guerreiro não significa trombar nem guerrear com os adversários. Ser guerreiro é não se esconder do jogo, crescer nas adversidades e transpirar bastante pelo corpo e pela alma.

Que o Cruzeiro tenha ambição pela vitória, joguem com alma, garra e que sejam guerreiros. No resto, tudo pode acontecer. Mas que busquemos a vitória.

Só peço isso e nada mais.

Simbora Cruzeiro!

Luciana

A culpa foi de todos – apontando os erros, um por um

Quarta foi desastroso, horrível. Um time irreconhecível entrou em campo. Pensávamos que fosse o time considerado o Barcelona da América e o melhor colocado no grupo geral da Libertadores. Só pensávamos. Enganamos.

O Cruzeiro encarou o Once Caldas no pior jeito, bem apático. O meio-de-campo errava lances bobos, passes mínimos e nada produzia. O ataque sem os seus dois atacantes velocistas nada pôde fazer e a zaga, coitada, que há partidas só joga com um zagueiro totalmente eficiente, o chefão Victorino, ficou perdida e sofreu dois gols.

Naquela noite péssima não podemos sobrecarregar a culpa da derrota em ninguém, até o cauteloso Roger fez faltas bobas e foi expulso. E antes de jogar com um a menos, o Cruzeiro já estava desligado e só tomou os gols quando esse número de jogadores igualou, ou seja, o meio campista Roger não leva total culpa.

A melhor forma de analisarmos essa desclassificação imprevisível é apontar os erros de cada um. Melhor dizendo, apontar os erros dos jogadores que entraram, do técnico que escalou e deixar de fora três jogadores, que para mim, no meio de onze em campo, foram os únicos que vestiram o manto celeste com fervor: Fábio, Victorino e Gilberto. O resto até tentou algo, mas definitivamente, não era a noite deles, e consequentemente e infelizmente, nem à noite a do Cruzeiro.

Fiz essa resenha para o jogo de quarta e posso muito bem deixa-la para o jogo de hoje. O Cruzeiro não mudou sua forma de jogar, continuou sem raça e deixou um time bem inferior levar a melhor. Mais uma vez para mim poucos jogadores foram bem. Permaneço com os três já citados e adiciono Wallyson. Realmente não dá pra entender. Como um time pôde esquecer-se de jogar bola tão rapidamente?

Começando pela escalação temos:

Gil: Aquele estilo zagueiro “pesado” e dessa vez, não foi diferente. Quando ele entrou no Cruzeiro, ao decorrer dos jogos, achei-o péssimo, depois foi melhorando, e com a entrada de Victorino – que cobre a zaga sozinho – Gil passou despercebido, porém neste jogo de Libertadores, mostrou como faz falta jogar com dois zagueiros verdadeiros, mestres. Mineiro: apesar da raça demonstrada não oculta a fraca marcação.

Pablo: Mostrou como é incipiente e como um jogo decisivo de Libertadores pode pesar. Errou passes, deixou um buraco, não cobria, não marcava e a maioria das jogadas do time adversário passou por seu lado. Mineiro: a mesma coisa.

Marquinhos Paraná: Caiu muito de produção, está lento, parece que, infelizmente, já se foi sua vez no Cruzeiro. Volante que não consegue mais acompanhar, não dá mais.

Henrique: Nunca gosto de dizer isso, aliás, sempre quando dizem para mim, nunca concordo. Acho que é desculpa para justificar o atual desempenho, mas tenho que admitir, desde que foi convocado para a seleção brasileira, o nosso volante não foi mais o mesmo. Não marca direito, erra passes bobos e apesar da garra demonstrada em campo – por ter jogado machucado – ia ajudar ainda mais, se tivesse saído. Mineiro: começou bem, mas continuou errando lances infantis.

Montillo: Pouco produziu, mas também, não tinha base pra isso. E ninguém joga sozinho, ninguém, por melhor que seja. Mineiro: Pecou hoje em um lance bobo que levou a expulsão.

Roger: Estava estranho, como o time do Cruzeiro, desligado. Errava lances fáceis e para recuperar, saía dando carrinho em todo mundo. Inacreditável. Mineiro: Não jogou hoje por birra do Cuca. Por burrice do Cuca. Lastimável.

Farías: Tentou ser pivô, mas dessa vez não conseguiu. Os zagueiros colombianos eram mais fortes. Mineiro: nem jogou.

Ortigoza: Se movimentou, tentou, mas jogar sozinho dificulta. Mineiro: Jogou, mas antes não tivesse jogado. Tentou marcar, acabou fazendo falta e não fez nenhum lance de perigo de gol.

Substituições:

Everton: Entrou logo a expulsão de Roger. Ajudou um pouco, mas não marcou devidamente. Fica a parcela por ter perdido um “gol feito” nos minutos finais. Mineiro: Mostrou como não pode ser lateral, como Pablo deixou os espaços livres.

André Dias: Nem viu a cor da bola.  Mineiro: não jogou.

Dudu: Deu mais velocidade, fez boas jogadas, mas já não restava tempo. Mineiro: Como quarta, entrou tarde demais.

Técnico Cuca: Errou após a expulsão de Roger em não colocar Leandro Guerreiro no meio-de-campo, tirando o atacante Farias, levando o Marquinhos Paraná a lateral e adiantando Montillo. Ao invés disso, colocou Everton na lateral, levou Gilberto ao meio-de-campo e adiantou Montillo.

O técnico estava ganhando por 2 a 0 (placar feito fora de casa), me diz pra quê continuar com um time dinâmico? Tinha que ter fechado o meio-de-campo. Mas tudo bem, o Cuca sempre faz essas duas opções, a qual eu falei ou a qual ele fez. Ele não entra em campo, não joga, só escala. Mineiro: Tem um elenco superior ao adversário e não soube usar isso. Viu como todos, o quanto a lateral do Cruzeiro é frágil e custou a mudar isso. Não soube acertar o meio-de-campo do time. E por birra deixou o talentoso Roger fora do jogo.

Apontei os erros de cada representante celeste, e pelo relatado, fica fácil entender o porquê da derrota. O porquê da derrota de quarta-feira e a de hoje. E o mais engraçado é o que texto é de pós-quarta e não mudei quase nada dele, só acrescentei. Desse jeito, o Cruzeiro não irá tão longe esse ano. Cadê o futebol do “Barça da América”?

Roberta

Direito de resposta!

O tempo e o Cruzeiro em campo deram uma resposta em meu nome…

Lembra de um texto que escrevi há quase exatos 4 meses atrás com o título “procurando pêlo em ovo com comparações”?!

Escrevi ele aqui no blog e o PC Almeida colocou no Bloguerreiro (acesse esse link pra ter acesso ao texto no Bloguerreiro) do Globo Esporte, recebi muitos comentários lá, sendo 70% críticas falando que era “perrelista”, que estava acomodada, que o time desse jeito iria brigar pra não cair e blábláblá…

Tenho até vontade de mandar uma palavra má educada pra essas pessoas, mas como o Cruzeiro ainda não ganhou nenhum título, não posso dizer nada disso.

Mas será que essas pessoas mudaram de opinião?

Vão continuar falando que o Leonardo Silva foi um grande reforço para o Atlético-MG?

Vão falar que Mancini foi um grande reforço pra eles? Que o Cruzeiro esta falido?

E olha, escrevi isso no dia 07/01:

“E o Cruzeiro tá falido é la na casa da mãe Joana (pra não falar outra coisa)! Se vende para não ir pelo caminho de uns atléticos da vida. Não contrata logo porque não há boas opções no mercado que valha o que pedem ou que não tenhamos que fazer absurdos. Se caso não concordem, quero ver seus argumentos aqui embaixo, por favor! Mas lembrando que alguém ainda irá chegar.”

Num é que chegou um tal de Victorino? Além do Brandão, que não posso dizer nada ainda, que nem conheço, mas que dizem que é reforço…

E ainda riram quando eu disse:

“Como se pode comparar um plantel que vem pra quarta Libertadores seguida com um outro que quer tomar surra numa quarta Copa do Brasil seguida? Como comparar o galinho ao Cruzeiro? Não gente! NÃO TEM COMO!”

Pode ser cedo pra afirmar que eu acertei nas previsões, mas ao menos nas constatações que não podiam comparar o Cruzeiro ao galinho, isso ai eu tenho certeza que fui feliz.

Muitos dos quase 230 comentários que recebi eu gostaria de ter dado uma resposta, mas o tempo e o Cruzeiro em campo se encarregaram disso por mim.

Vieram algumas pessoas falando para comparar ao elenco de outros times, que o Cruzeiro estava ladeira abaixo. Pra exemplificar, olhem esse comentário 19 do moço Marcos Richa:

Oi Luciana…. vc nao entende nada de futebol…. a torcida quando chia nao eh pq esta preocupada com o gaylo rosinha…. e sim com os verdadeiros adversarios do Zeiro…. FLU, Curintia, Santos, Inter, Gremio… sem falar no Estudiantes…. sao com estes que a gente vai jogar na Libertadores… olha o nivel destes times e as contratacoes q estao buscando…. parecem anos-luz a frente do nosso Zeiro…. ou vc acha q com este time ai vamos ser campeoes…. eh claro que nao….. o que esta perrelada ta querendo eh colocar o zeiro no limbo…. vagando eternamente entre o vice-campeonato e as quartas-de-final….. nunca vai ser campeao com esta mentalidade… PRESTA ATENCAO…. vamos cobrar deles sim…. ou deem lugar para outros mais competentes e ambiciosos….

Então gostaria de deixar bem claro para todos: nunca vou torcer contra o Cruzeiro. Não vou exaltar apenas os problemas. Eu acreditava e acredito nesse time.

Eu não digo que seremos campeões, mas nunca afirmarei que temos um time pra cair como tantos outros em conclusões precipitadas.

Não sou iludida querendo que meu time seja um Barcelona, mas gosto de analisar os fatos antes de jogar pedras.

Luciana

CM’11 Cruzeiro 3 x 4 Atlético-mg

Clássico bom, arbitragem horrível e Cuca…

Clássico bom. Seria melhor ainda se o árbitro tivesse apitado de verdade, não fingindo que era neutro. Essas coisas de tudo ser patrocinado pelo ex-presidente do galinho… quem acredita que poderá ser jogado o verdadeiro futebol sem pênaltis inexistentes e outros não marcados interferindo no placar final?

Não podemos julgar o time apenas por um clássico regional, porque – como falado no post anterior – temos um clássico internacional nesta quarta-feira. E dependemos muito dele para o resto da temporada. O de ontem fez nem cosquinhas ao planejamento do resto do ano, ainda podemos ganhar o Mineiro tranquilamente, só que temos que avaliar os erros…

Mais uma vez, Welligton Paulista jogou mal, exceto o belo lance do gol. O Leo não estava em um dia bom, que é raridade. Thiago Ribeiro foi mal também, mas ainda possui bastante crédito, porque conseguir ser destaque nacional tendo o Wellington Paulista como companheiro no ataque não é tarefa para qualquer um. Gilberto também não estava em seus dias, acho que está chegando a hora de dar uma oportunidade sim para Roger.

Acho que o problema da zaga será solucionado com Victorino. Repito: para mim, o Leo é um excelente zagueiro, ontem foi um dia atípico e aposto que com Victorino ele fará uma boa zaga e o Gil, com a crescente do seu futebol nos últimos jogos, tende a ser um bom reserva.

Já sobre o camisa 9, o Perrella tem que decidir: libera o dinheiro para comprar um centroavante de verdade ou libera o dinheiro para cobrir a oferta do time adversários pelos árbitros. Isso pode ser apenas brincadeira, mas foram os dois fatores que deram um empurrãozinho pra taça do Brasileiro ficar longe da Toca.

Agora falando no Cuca, na época da sua contratação eu fui contra, assim como grande maioria dos cruzeirenses. Eu não queria a saída do Adilson Batista, assim como uma minoria da torcida.

Mas quando ele chegou, queimou a minha língua de forma fabulosa trazendo o vice-campeonato para a Toca. Mas nesse inicio de ano eu já venho observando suas atitudes… no jogo contra o Villa, demorou muito para fazer substituições, que apesar de tardias, surtiram efeito. Já contra o galinho, colocou Edcarlos no lugar de Leo e Roger no lugar de Gilberto, sendo que o Leo não vinha fazendo uma boa partida, porém Edcarlos nem havia jogado nenhum jogo esse ano e tinha que segurar o Tardelli.

O Cruzeiro vinha tomando pressão no segundo tempo, já anunciando o quarto gol galinácio… mas Cuca ficou receoso em gastar a terceira substituição, quando deveria fazer. Como anunciado, o quarto gol veio e só depois Wallyson entrou em campo.

É Cuca… devemos rever o seu assunto com seus protegidos. Wellington Paulista não dá! Tente inventar, seja um pouco de “professor pardal”. Coloque dois pontas, André Dias… sei lá… inove! Adilson Batista conseguiu chegar a uma final de Libertadores com Gerson Magrão na lateral e um Thiago Heleno na zaga por falta de opções melhores, mas chegou!

Mas Wellington Paulista não tem como mais…

Até os cornetas do Adilson já começam a chamá-lo de volta… cuidado! Libertadores não é Campeonato Mineiro BMG, onde tanto faz perder pra um galinho da vida. Não sou contra o Cuca, ainda possui mais méritos que deméritos no comando. Mas ver que o Wellington Paulista é seu protegido é meio tenso…

Mineiro’11 – Cruzeiro x Atlético

E hoje começa a temporada pra valer!

Não que eu esteja desprezando os jogos anteriores do Cruzeiro, mas começar a semana com o pé direito ganhando do maior rival regional (só por hoje, América-MG!) tem que entrar no roteiro para que possamos ganhar no meio da semana do nosso maior rival dos últimos anos.

A importância do ex-clássico é rebaixada (termo que combina com o adversário de hoje) perto do que temos na quarta-feira na mesma Arena.

Mas fazer o que?! Temos que passar por isso.

Ainda porque a importância para o ego desse jogo é muito grande. Já pensaram nas conseqüências de um ex-clássico na véspera de um jogasso da Libertadores?

Se o resultado for aquele menos esperado pela esquadra celeste, iremos com mais raiva e vontade de ganhar o próximo jogo. Se ganharmos, estaremos aliviados e mais certos de uma nova vitória. Mas como o resultado NUNCA pode ser irrelevante, então vamos em busca da vitória na Arena meeeesmo!

Infelizmente, o xerife Victorino não poderá fazer sua estréia contra o lado rosa da lagoa, pra fazer o ex-xerife (que quis sair para fazer companhia ao Ricky) tremer as pernas. Ainda mais com a torcida toda a nosso favor, da lhe vaia!

Além da ausência de Victorino, o Cruzeiro ainda não poderá contar com Marquinhos Paraná e Fabrício.

Provável time do Cruzeiro em campo: Fábio, Pablo, Gil, Leo e Diego Renan; Leandro Guerreiro, Henrique, Gilberto e Montillo; Thiago Ribeiro e Wellington Paulista.

Pela lista dos relacionados, não podemos nos esquecer dos que poderão sair do banco para determinar nossa vitória como nas partidas anteriores. Dudu, Wallyson e Roger – que voltou a ser relacionado depois da intriguinha (besta) com Cuca – serão nossas principais apostas.

Força Cruzeiro!

Meu palpite? Cruzeiro 3 x 2 Galinho – Com emoção!

Luciana