A chata mala branca

Desde que o Campeonato Brasileiro é disputado nos pontos corridos, ao seu final, sempre há polêmica da tal mala branca. Programas esportivos debatem por horas o assunto, jornais impressos só falam disso (acho que não tem mais nada de interessante, só pode!), jogadores dizem que jamais aceitariam, outros ainda se mostram sinceros e dirigentes fazem o politicamente correto. Mas, sinceramente, não conheço os bastidores do futebol e ninguém para me dizer se é verdade ou não, mas uma coisa eu sei: ESSE ASSUNTO É MUITO CHATO! 

Bom seria se os clubes fizessem a sua parte e não precisassem depender de ninguém, se o futebol fosse transparente e tudo fosse às claras, mas a verdade não é bem assim e todo mundo sabe. O mundo do futebol é algo mais complexo do que se vê e complicado de se entender. A mala branca, rosa, azul, verde seja qual for a cor, não é ética, mas não passa por cima de nenhuma lei, então os clubes se aproveitam disso.

Agora vamos combinar que um time que não correu o ano todo e vai ser ou já foi rebaixado, correr porque recebeu dinheiro? Sinceramente, é uma vergonha e quem deveria cobrar são seus próprios torcedores, que no último jogo do ano vêem os jogadores comendo a bola porque receberam um “incentivo”. Por que não fizeram isso antes? Onde está o profissionalismo e a vergonha na cara?

Voltar ao mata – mata, na minha opinião, seria um retrocesso. O campeonato de pontos corridos premia aquele time que foi mais regular, ao contrário do mata – mata que pode eliminar o melhor da competição logo de cara, justo? Claro que não! Não podemos esquecer que esse ano o Cruzeiro perdeu pontos inaceitáveis como para VIT, PRU e GUA, que por sinal dois já caíram. E não podemos tirar da “conta” o que o Sr. RICCI nos causou no Pacaembu. Enfim eu ainda ACREDITO, com ou sem a chata da MALA BRANCA.

O futebol apaixonante e que muitos torcedores vêem é melhor do que seus bastidores, onde acontecem mais coisas do que dentro das quatro linhas, infelizmente.

Izabela