Haja coração…

As horas pareciam não passar, olhava no relógio e o mesmo ainda marcava apenas duas horas da tarde, então resolvi dormir. Acordei faltando poucos minutos pra partida, me sentei em frente à tv, preparada, como uma guerreira, pois os jogadores não são os únicos guerreiros, mas nós também. E eu, mesmo não podendo estar ali, no estádio, estava ansiosa, como os dezoito mil ali presentes.

O jogo começou, com Cruzeiro pressionando muito, também, enfrentava o time reserva –  praticamente júnior – do Palmeiras, parecia que as coisas se facilitariam, mas não foi bem assim.

Mesmo com toda pressão do time celeste, o Cruzeiro não conseguia balançar as redes, e o Palmeiras, para o meu desespero, com o passar dos minutos, ia acertando o time. Mas, me tranquilizei, acabara o primeiro tempo, e esperava um segundo tempo melhor, ainda mais recheado de emoções.

Mas, para minha maior tristeza, o time alviverde abre o placar aos oito minutos. Foi algo inacreditável, ainda mais que havia dois placares favoráveis a nós – o Fluminense e o Corinthians estavam empatando. Não acreditava que tudo passaria assim tão perto.

O Cruzeiro estava muito afobado, tentava fazer jogada pelo alto, sempre perdendo. Wellington Paulista e Thiago Ribeiro deram show de horrores, para piorar ainda mais a minha aflição.

Mas o cara estava lá, um dos melhores volantes do campeonato, Henrique, em sua melhor partida pelo Cruzeiro neste ano, imbatível, marcava e também avançava, e como avançava. Numa jogada com a bola no chão, ele recebeu o passe de Diego Renan e mandou para o fundo das redes. Senti-me mais bem aliviada, não era possível que o Cruzeiro perderia para um time inferior e que nem estava tão entrosado – apesar da belíssima atuação do Palmeiras, mesmo com a derrota.

Os minutos iam passando aproximando-se do fim, o caldeirão, a arena calou-se também. Os quarenta e seis minutos se aproximavam e eu não entendia porque o Wallyson tanto avançava, e logo passava a bola para alguém, não havia segurança.

Mas quem diria que o gol do vice-campeonato sairia dos pés dele, por fim, o que eu tanto pedira, foi atendido, o moleque finalmente acreditou em si, avançou, para a meta tão desejada, num chute forte, sem chances para o goleiro Bruno, Wallyson fez dois a um para o Cruzeiro, uma virada histórica.

Todavia, infelizmente, o Fluminense já tinha feito o seu gol, do título, no Engenhão. Mas não fico triste por não termos conseguido o título, mas sim fico feliz, porque a justiça foi feita, o Flu também foi merecedor da taça, mas o Corinthians, esse que foi tanto beneficiado pela arbitragem, na final, na ultima rodada, empatou com o rebaixado Goiás, ficando apenas com o terceiro lugar. Tem coisa melhor do que essa? Ver a justiça sendo feita?

Parabéns Cruzeiro, que também é um time de guerreiros, fez uma vitória de virada belíssima. Eu que nem imaginava que sobraria tanta emoção para a final. Desligo minha tv e saio, com a felicidade estampada no rosto, pois apesar de não sairmos com o título, eu vi que um time que tentou, e que fez sua parte, até o último minuto.

Roberta

O dia do Juízo Final

Arena do Jacaré – 05/12/2010

Hoje é um dia especial: a partir das 17 hs, 9 jogos acontecerão pelos gramados do Brasil. Serão os jogos, da 38a rodada de um campeonato marcado pela polêmica, e a meu ver, manchado. Mas os que interessam mesmo à Nação Azul, são apenas 3: o nosso, e os jogos de Fluminense e Corinthians.

A situação do Maior de Minas não é fácil, já que depende de que Goiás, com time reserva, e Guarani, com time sem os 5 principais jogadores, parem  o time de paulista e o do Rio, respectivamente. Além, claro, de vencer nosso jogo contra um Palmeiras desfigurado, na Arena do Jacaré.

O Palestra Itália paulista virá sem os titulares, todos de férias antecipadas. o que não significa que será fácil, pois reservas e garotos da base tendem a se superar em jogos assim. Querem mostrar ao técnico que têm capacidade de estar no time principal.

Já o Cruzeiro, vai a campo com a mesma formação do jogo contra o Vasco, com dois meias. Provavelmente será: Fábio, Rômulo e Gil, Léo e Diego Renan; Paraná, Henrique, Roger e Montillo, TR E WP.

Jonathan e  o nosso eterno guerreiro Fabrício, estarão de fora. O primeiro, suspenso, e o segundo ainda se recuperando de lesão. E espero, ansiosamente, que WP faça os gols que necessitamos, já que ultimamente, não tem feito bem o seu papel. #oremos! rsrsrs

Todo o grupo do Cruzeiro Esporte Clube estará na Arena, pois Cuca teve a ótima idéia de levar todos os atletas. Os que não forem escalados para a partida, reforçarão o time dos torcedores, numa corrente pelo TRI.

Eu não vou aqui ser hipócrita e dizer que vamos ser campeões. Só digo que, no Cruzeiro, eu acredito. Não acredito é nos times dos quais dependemos. Mas desejo ardentemente, desesperadamente, que o TRI bata à nossa porta, para nos entregar aquela linda e tão almejada taça!

E se hoje fosse o dia do Juízo Final, teria a certeza que Deus reservaria boas coisas ao Cruzeiro, pois foi o time que verdadeiramente disputou o título em campo, sem ajudas decisivas e marcantes da arbitragem. O “pecado” do Cruzeiro,a meu ver, foi “ousar” invadir o espaço de Corinthians e Fluminense; foi chegar, com pinta de campeão,  ao topo da tabela. Aí, todos nós já sabemos o que aconteceu em jogos cruciais, contra Grêmio, Botafogo, e aquela vergonha contra o Coríntians… Bateu o desespero nos homens que comandam o nosso futebol, mas isso é assunto para outra hora…

Falando em juízo final, que, de um modo simplório, entendo como castigo aos que foram ruins, e glórias aos que foram justos e corretos, aí vai uma linda música de Nelson Cavaquinho, interpretada pela grande Cruzeirense Clara Nunes. Quem sabe esse “juízo final” aconteça hoje nos gramados do Brasil, surpreendendo a todos?

E, aconteça o que acontecer, a Nação Azul renovará suas esperanças para o novo ano que chega, sempre com a certeza de que estaremos lutando por glórias, pois essa é  a sina do Cruzeiro Esporte Clube!

Um grande abraço, Nação azul!

Simone